21 maio 2015
Categoria: NeuroNews
21 maio 2015,
 Off

Por Prof. Dr. Paulo Bertolucci

Existem estudos sobre o impacto da correção de fatores de risco na probabilidade de desenvolvimento da doença de Alzheimer, mas tipicamente um único aspecto é abordado.  Esta investigação abordou vários aspectos em  uma amostra grande por um período de dois anos. Foram incluídos indivíduos entre 60 e 77 anos, com risco cardiovascular, sem suspeita de demência, que receberam atendimento em grupo e individualizado para a correção de riscos vasculares, redução de peso quando necessário e adicionalmente um programa de atividade física e um de atividade intelectual por Internet. Como controle um outro grupo recebeu instruções padrão sobre os mesmos fatores. Ao final de dois anos havia em torno de 600 indivíduos em cada grupo, e o grupo de intervenção apresentava melhor desempenho na capacidade cognitiva global, velocidade de processamento e função executiva. Estes resultados indicam que programas de intervenção em populações em risco podem diminuir a chance de declínio cognitivo.

Link: http://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(15)60461-5/abstract